Ternium terá siderúrgica no Superporto do Açu – Monitor Mercantil

A LLX, companhia de logística do grupo EBX, informou nesta quinta-feira que a Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca), concedeu licença prévia a Ternium Brasil para a construção de usina siderúrgica no Complexo Industrial do Superporto do Açu. A licença autoriza a produção de ate 8,4 milhões de toneladas de aço bruto por ano. O projeto contempla uma pelotizadora e uma planta siderúrgica integrada para produção de aço em placas e laminados.Em 15 de setembro de 2010, a LLX Açu Operações Portuárias, subsidiária da LLX, e a Ternium celebraram dois contratos take or pay de longo prazo para serviços portuários, sendo um deles para embarque de produtos siderúrgicos e outro para desembarque de carvão, ambos com taxa de retorno de 15% ao ano, em dólares, moeda constante e sem alavancagem financeira sobre o CAPEX e o OPEX do terminal portuário da LLX Açu.
“Com uma planta siderúrgica capaz de produzir ate 8,4 milhões de toneladas por ano, o complexo poderá se tornar o maior site siderúrgico brasileiro, transformando o estado do Rio de Janeiro no maior polo siderúrgico do pais, disse Otavio Lazcano, diretor presidente da LLX. “Este é mais um passo importante em direção a consolidação do Superporto do Açu como o maior complexo industrial portuário das América e um dos destinos preferenciais para a instalação de empresas lideres setoriais que buscam máxima eficiência logística”, completou.
OSX
A OSX informou que o FPSO OSX-1, a primeira unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de óleo e gás a integrar a frota da OSX, chegou ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira, concluindo com êxito a sua viagem de Cingapura para o Brasil. O trajeto teve a duração de 45 dias.
Afretado pela OGX pelo prazo de 20 anos, o destino do FPSO OSX-1 será a acumulação de Waimea, na Bacia de Campos, onde a unidade dará início ao processo de produção do primeiro óleo de seu cliente âncora. A unidade foi construída na Coréia e customizada em Cingapura pelo estaleiro da Keppel. O OSX-1 tem 271,75 metros de comprimento e capacidade de armazenamento de até 900 mil barris de petróleo.
Nos próximos dias, o FPSO OSX-1 passará por procedimentos obrigatórios junto às autoridades brasileiras competentes. Cumprida esta etapa, a embarcação estará em águas abrigadas no Rio de Janeiro, para deslocamento rumo ao campo de produção, na Bacia de Campos.
“Para nós, a chegada ao Brasil dessa embarcação representa dois marcos inaugurais. Entregamos a unidade de produção que produzirá o primeiro óleo de nosso cliente âncora OGX. E, ainda, inauguramos a frota de unidades offshore da OSX, que será composta por dezenas de unidades similares na próxima década” afirmou Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, Diretor Presidente da OSX.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR