Holandeses vão investir US$ 1 bi em um superporto no Estado – A Gazeta

Até o final deste ano, o governo do Estado e o Porto de Roterdã Internacional decidem a área onde será construído um novo porto de águas profundas no litoral capixaba. A previsão é de que sejam investidos US$ 1 bilhão na implantação da infraestrutura do porto e da retroárea e até US$ 12 bilhões para a instalação das empresas no condomínio do porto.

O governo do Estado não indicou, especificamente, nenhuma área para a implantação da obra. “Estamos colocando à disposição dos técnicos holandeses e empresários, a possibilidade de escolher de Presidente Kennedy, no extremo Sul, até Conceição da Barra, no Norte”, explica o secretário de Desenvolvimento, Márcio Félix Bezerra.

As intenções das partes – governo estadual e Porto de Roterdã Internacional – foram especificadas no memorando de entendimento assinado entre o governador Renato Casagrande e os representantes holandeses, o diretor do Porto de Roterdã, Roger Clasquim, e o gerente de projetos, Marc Evertse, durante encontro no Palácio Anchieta, ontem pela manhã.

Localização

Algumas áreas já foram indicadas para o novo porto, incluindo Ponta de Ubu, em Anchieta, e Praia Mole, em Vitória. Uma terceira opção foi apresentada ontem também aos executivos de Roterdã e ao governador Renato Casagrande. Trata-se de uma área em Vila Velha, localizada na região de Interlagos e Xuri.

O projeto de Vila Velha foi mostrado a Casagrande no final da tarde pelo prefeito do município, Neucimar Fraga, o
foto: Luísa Torre
Vista da Lagoa do bairro Interlagos, em Vila Velha – Editoria: Economia AG – Foto: Luísa Torre
Vila Velha ofereceu área de Interlagos como candidata
secretário de Desenvolvimento Econômico, Arlen Silva, e o secretário de Desenvolvimento urbano, Henrique Casamata. A área destinada ao projeto, em Ponta da Fruta, tem 50 milhões de metros quadrados para a retroárea e possibilidade de 23 metros de calado para o porto, segundo Henrique Casamata.

O gerente de projetos, Marc Evertse, explicou que o projeto que os executivos de Roterdã têm em mente é semelhante ao do Porto de Sohar, construído pelos holandeses em Omã. Naquele país, o porto funciona por meio de parceria entre o governo local e a empresa Porto de Roterdã Internacional. A empresa holandesa tem participação no Porto de Sohar e também no Porto de Suape, em Pernambuco.

Gerente da Antaq deve presidir Codesa

O novo presidente da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) deverá ser o gerente de Estudos e Desempenho Portuário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Bruno Pinheiro. O nome de Pinheiro já teria sido aprovado pelo ministro dos Portos, Leônidas Cristino. O nome do novo presidente da Codesa, entretanto, depende de aprovação dos integrantes do Conselho de Administração da companhia (Consad). Até à noite de ontem não havia saído a convocação dos conselheiros para a sessão extraordinária do Consad. A convocação deve ser feita com até cinco dias de antecedência. Na Antaq, a informação da assessoria de imprensa do órgão, foi a de Pinheiro não se encontrava no local de trabalho e que a informação não poderia ser confirmada.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR