Alta frequência chacoalha o mercado de commodities – Jornal Valor Econômico

Quando os preços do gás natural caíram 8% em questão de segundos na semana passada, um gestor de Nova York disse que não precisou pensar duas vezes. “Corri literalmente para o meu computador e comecei a comprar”, disse.”Estava claro que algo havia dado errado nas HFTs [negociações em alta frequência, na sigla em inglês] e eu poderia lucrar com a recuperação depois das baixas.”
Ele não seria o único. Desde o “flash crash” no mercado de ações em maio de 2010, agravado pelas HFTs, operadores experientes afirmam que oscilações de preços violentas e inexplicáveis estão se tornando mais comuns, permitindo aos mais ágeis lucrar com a recuperação imediata dos preços.
Nos mercados de commodities, que foram atingidos por uma série de mini “crashes” relâmpagos nos últimos 18 meses, especialista afirmam que poderá haver agora uma entrada de operadores de alta velocidade.
Os operadores de commodities cada vez mais culpam a atividade conduzida por computadores por uma série de movimentos anormais nos preços como o que atingiu o petróleo em 5 de maio.
Naquele dia, os operadores ficaram chocados com a velocidade de uma queda de US$ 13, após uma série de ordens de vendas a preços preestabelecidos (“sell-stop order”), apesar da ausência de uma grande notícia.
“Acho que há alguns algoritmos novos nas commodities, que já vimos antes nos mercados de câmbio, projetados para farejar sell-stop orders”, diz Paul Rowady, um analista sênior do TABB Group, especializado em pesquisas sobre os mercados de capitais. “O mercado pode subir subitamente e depois voltar a cair, e isso deixa os operadores desorientados.”
Os operadores de alta frequência estão frustrados com as críticas, que consideram equivocadas. Eles argumentam que reduzem a volatilidade, voltando a alinhar rapidamente os preços depois que os investidores maiores, de longo prazo, fazem suas apostas. “Cinco de maio foi um processo de descoberta de preços influenciado por mudanças fundamentais nos pontos de vista das pessoas sobre o mercado do petróleo”, disse um operador de alta frequência, que pediu para ficar no anonimato.
Todos os sinais apontam para o crescimento contínuo das HTFs nas commodities. Isso acontece em parte como resposta ao aumento da competição e redução das margens de lucro nos mercados de ações dos Estados Unidos, onde os negócios de alta frequência caíram em relação há um ano.
Rowaddy, do TABB Group, diz que não ficaria surpreso em ver os volumes de HTFs dobrarem nos mercados de energia nos próximos dois a três anos, afirmando que o petróleo e o gás natural “são apropriados” para as empresas de HTFs.
O crescimento dos HTFs, embora traga benefícios, como taxas menores, não está isento de riscos.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR