Ningbo aposta em infraestrutura – A Tribuna

Para atrair cargas e enfrentar a concorrência dos demais portos da China, especialmente Xangai, que fica a cerca de 220 quilômetros ao Norte, Ningbo aposta em investimentos em infraestrutura e na oferta de melhores serviços a seus usuários. Nos últimos anos, isso tem significado a construção de linhas férreas,ligando o complexo, o segundo mais importante do país asiático, a regiões no interior da nação, e parcerias comas áreas produtoras chinesas e portos internacionais.A estratégia de desenvolvimento do complexo marítimo, que operou 412 milhões de toneladas no ano passado e projeta fechar este com 430 milhões de toneladas, foi explicada pelo vice-prefeito de Ningbo, Liu Hai Quan, na tarde de ontem (madrugada de ontem no Brasil), logo após receber empresários e autoridades do Porto de Santos e da Baixada Santista visitando o complexo.
A ida dessa delegação a Ningbo integra uma série de visitas que ela está realizando aos principais portos da China, parte da programação da 9ª edição do Santos Export �?? Fórum Internacional para a Expansão do Porto de Santos, que ocorreu em agosto passado, em Santos. Tradicionalmente, o seminário é complementado com uma viagem a complexos marítimos de destaque no mundo. Essa é a primeira vez que as instalações visitadas ficam na Ásia, continente onde estão os oito maiores portos do planeta (seis deles são chineses). Tanto o fórum como a viagem são uma iniciativa do Sistema A Tribuna de Comunicação e uma realização da Una Marketing de Eventos.
Localizado a 1.200 quilômetros ao Sul de Pequim, às margens do Mar da China Oriental, o Porto de Ningbo é formado pelos terminais localizados nessa cidade e na vizinha Zhoushan (arquipélago rente à costa da região), o que explica o fato de ser conhecido como complexo de Ningbo-Zhoushan. Suas instalações operam tanto granéis sólidos (carvão, minérios e aço) e líquidos (químicos) como contêineres. �? o segundo porto do país, atrás apenas de seu concorrente mais próximo, Xangai.
Considerando apenas a movimentação de contêineres, Ningbo é o quarto complexo da nação (perde apenas para Xangai, Hong Kong e Shenzhen) e o sexto do mundo. No ano passado, passaram por suas instalações 13 milhões de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés), total que deve chegar a 13,5 milhões neste exercício. No ranking mundial de operação
de contêineres, elaborado pela consultoria europeia Alphaliner, Santos ocupa a 44ª posição. Em 2010, o porto brasileiro movimentou 2,72 milhões de TEUs. No total, seus terminais operaram 96 milhões de toneladas. Neste ano, a expectativa da Codesp, a Autoridade Portuária de Santos, é atingir a marca de 100 milhões de toneladas.
Para manter sua posição de destaque nos cenários chinês e mundial, a estratégia de Ningbo é baseada em duas metas: melhorar a infraestrutura de acesso e facilitar suas operações, de modo a aumentar a eficiência de embarques e desembarques. �??Para nos fortalecer cada vez mais, temos de ampliar a infraestrutura de acesso, agilizando a chegada de cargas. Por isso, o governo tem construído várias linhas (ferroviárias) ligando áreas do interior do país até nós. Assim, fica mais fácil a chegada das cargas�?�, afirmou o viceprefeito Liu Hai Quan. Assim como os demais complexos chineses, o de Ningbo é administrado por uma empresa pública, a Companhia Portuária de Ningbo Ltda., controlada majoritariamente pela autoridade municipal.
Ningbo também aposta no fortalecimento de suas relações comerciais, tanto com as regiões atendidas no interior da China como nos portos com que troca cargas. Nos últimos anos, sua administração abriu vários escritórios nas cidades localizadas em sua área de influência. �??Vamos até nossos clientes e buscamos facilitar suas operações.Com nossos escritórios locais, nossos usuários podem acompanhar as operações no porto e resolver problemas com a alfândega�?�, explicou Quan.
Aoutralinha de ação pretende aproximar Ningbo de complexos estrangeiros, como Santos, a fim de ampliar a troca de experiências e a atração de cargas. Ningbo e Santos são cidades-irmãs desde 2003. Nesses oito anos, representantes do porto asiático visitaram a Baixada Santista seis vezes. Ontem, ocorreu a primeira visita de autoridades do cais santista a seu parceiro chinês.
Os esforços comerciais do porto se justificam principalmente diante da proximidade de Xangai. �??Realmente, temos uma concorrência muito forte. Mas a competição é importante, pois estimula as duas cidades a melhorar suas operações cada vez mais�?�, disse o vice-prefeito.
Ningbo e Xangai disputam especialmente o escoamento das exportações chinesas. O primeiro ainda se destaca nas operações de importação, enquanto o segundo, nas atividades de transbordo (transporte de cargas de um navio para outro). �??Emrelação às importações e ao transbordo, sim, temos perfis diferentes.Mas ainda assim, disputamos muitas cargas�?�, disse.
Quan recebeu a comitiva do Santos Export no início da tarde desta quarta, em um hotel do município. Por se tratar de umasolenidade promovida pela Prefeitura de Ningbo, falou pelo grupo brasileiro o representante da cidade-irmã Santos, o secretário municipal de Assuntos Portuários e Marítimos, Sérgio Aquino, que também é o presidente do Conselho de Autoridade Portuária (CAP)deSantos.Aquino chegou a discursar em mandarim. Na cerimônia, o setor portuáriofoi representadopelo diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq, o órgão regulador do setor), Pedro Brito, ex-ministro dos Portos.
Após o almoço oferecido pelo município asiático, a comitiva do Santos Export foi recebida pela diretoria da Companhia Portuária de Ningbo, em sua sede, que ocupa um prédio de 31 andares no centro da cidade. Em seguida, foram ao cais operado pelo Grupo Portuário de Ningbo Ltda, um dos terminais de contêineres do complexo. Em 5 de agosto último, a empresa bateu o recorde
mundial de operação de contêineres, registrando, com umúnico portêiner, um índice de 223 movimentos por hora. Nesse cálculo, cada contêiner embarcado ou desembarcado ou cada tampa de porão do navio aberta ou fechada contam como um movimento. Para atingir essa marca, o portêiner chegou a levar quatro contêineres por vez.
A série de visitas aos portos da China continua nesta quinta, quando o grupo brasileiro conhecerá Xangai, o principal concorrente de Ningbo. A delegação será recebida na sede da administração portuária e naplataforma de logística da cidade. Maior porto do mundo na movimentação de contêineres, o complexo operou 29,07 milhões de TEUs no ano passado. Nos próximos dias, ainda serão visitados os portos de Shenzhene Hong Kong.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR