MMX vai expandir a mina Serra Azul – Valor Economico

A mineradora MMX, do empresário Eike Batista, deu o primeiro passo para a expansão da Unidade Serra Azul, de minério de ferro, em Minas Gerais. Ontem, a empresa assinou contrato de R$ 255 milhões com a australiana WorleyParsons, que adquiriu operações no Brasil com a compra da CNEC. A WorleyParsons será responsável por contratar construtoras e gerenciar a implantação do projeto.A obra deve ficar pronta no fim de 2013, com início das operações com capacidade total em 2014. A nova unidade prevê a construção de uma planta de beneficiamento de minério de ferro, um terminal ferroviário e uma correia transportadora com dez quilômetros de extensão. O objetivo é que todas as 24 milhões de toneladas produzidas na região de Serra Azul passem pela unidade, segundo o presidente da MMX, Roger Downey.
O executivo disse ao Valor que, embora a capacidade da Unidade Serra Azul esteja em expansão, de 8,7 milhões de toneladas de minério de ferro por ano para 24 milhões, a empresa tem estudos que apontam para uma produção maior, a partir do arrendamento da mina de Pau de Vinho, da Usiminas, vizinha à área da MMX.
O presidente da WorleyParsons, José Ayres de Campos, diz que o cronograma da usina poderá ser antecipado. A empresa desenvolveu projeto semelhante na Austrália, antecipando o prazo de entrega em quatro meses. Serão construídos módulos fora do local da obra, para serem montados posteriormente. “Com os módulos, ganhamos tempo, porque a construção civil e a montagem podem ser feitas em paralelo”, diz Ayres.
Downey, da MMX, disse que a possibilidade de antecipação de prazos ajudou na escolha da australiana. “Nossa corrida é contra o tempo. Se adiantamos a obra, antecipamos receita”, diz. Ele afirmou estar em conversas com bancos sobre o financiamento da expansão de Serra Azul, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A expectativa é que 75% dos R$ 4 bilhões de investimentos previstos para expansão serão financiados.
Hoje, a MMX tem um contrato de venda de 50% do minério produzido em Serra Azul para a chinesa Wuhan Iron and Steel Corporation (Wisco), além de 15% da produção para a coreana SK Networks. A empresa ainda conversa com potenciais clientes para a venda dos outros 35% a serem produzidos. Mas Downey acredita que não terá dificuldade em achar compradores a um bom preço, por apostar na manutenção de uma demanda forte no mercado internacional por minério de ferro, que deve manter os preços elevados nos próximos cinco anos.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR