Libra entra na área de aeroportos – Valor Econômico

O grupo Libra, um dos maiores operadores logísticos do Brasil, está criando uma nova área de negócios, a Libra Aeroportos. A nova unidade surge com o intuito de analisar oportunidades nas concessões dos grandes aeroportos brasileiros. Mas um primeiro passo foi dado: o grupo oficializou ontem a compra do controle acionário da Costa do Sol Operadora Aeroportuária, que tem a concessão para explorar o Aeroporto Internacional de Cabo Frio, na região dos Lagos do Rio. O valor do negócio é mantido em sigilo.O Libra comprou 60% da Costa do Sol, que no início da década ganhou a concessão para explorar o aeroporto de Cabo Frio por 22 anos, até 2023, com possibilidade de renovação por igual período. Os outros 40% permanecem com a holding que reúne cinco acionistas pessoas físicas. “Mais do que uma aquisição vemos o negócio como uma associação com o objetivo de compartilhar a gestão e de desenvolver o aeroporto de Cabo Frio em carga aérea e em serviços ligados à indústria de petróleo e gás”, disse ao Valor o presidente do grupo Libra, Marcelo Araújo.
Francisco Pinto, um dos sócios da holding, disse que a entrada do grupo Libra vai dar fôlego à concessionária para continuar a investir e buscar novas oportunidades de negócios. Segundo ele, os sócios da operadora conversaram com vários interessados. “Nos associamos ao Libra pela tradição que tem no comércio exterior e pela forte identidade de propósitos e valores que temos com o grupo”, disse Pinto. A operadora contou com a assessoria do BTG Pactual na busca de um novo sócio controlador.
Marcelo Araújo, o presidente do Libra, afirmou que Cabo Frio estará integrado às demais operações do grupo, que até agora tinha três unidades de negócios: terminais, que reúne operações portuárias de contêineres; logística, formada por uma rede de operações de carga geral e contêineres para atender o comércio exterior; e a Libra Participações, que inclui negócios diversificados – da navegação de interior na Amazônia à produção de azeite de oliva no Chile.
Araújo disse que desde 2008 o grupo vem estudando o setor aeroportuário como um novo segmento de negócios. O grupo vê complementariedade entre o negócio aeroportuário e os terminais portuários e a logística. Há potencial de integração entre o terminal de contêineres da Libra no Rio, as operações de transporte da área de logística do grupo e o aeroporto de Cabo Frio, que conta com área alfandegada.
“A partir das experiências da Costa do Sol na gestão aeroportuária e da Libra no comércio exterior, estamos aptos a prospectar novas oportunidades de aeroportos no Brasil”, disse Araújo.
O executivo afirmou que há dois caminhos que podem ser seguidos pelo grupo nas novas licitações para concessões de aeroportos no país: um é associar-se a um operador internacional e outra possibilidade é entrar em consórcio em formação. Araújo disse que o grupo mantém contatos com vários operadores internacionais de aeroportos. Ainda não está definido, porém, qual pode ser o veículo de participação em novas licitações. Uma possibilidade seria participar via Libra Aeroportos ou então mediante a própria Costa do Sol.
Em relação a Cabo Frio, Araújo disse que será montado um plano estratégico para o aeroporto incluindo os investimentos a serem feitos nos próximos cinco anos com foco na carga, na indústria de óleo e gás, e também no turismo. A montagem de um novo plano de investimentos deve levar a Costa do Sol a abrir negociação com a prefeitura de Cabo Frio, que é o poder concedente, para tentar renovar a concessão por mais 22 anos.
Ontem Araújo reuniu-se com o prefeito de Cabo Frio, Marcos Mendes, para comunicar que todas as etapas legais do processo de entrada na Costa do Sol foram cumpridas.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR