Furg prepara início das obras de oceanário – JC RS

As obras do Oceanário Brasil, que ficará localizado no balneário Cassino, em Rio Grande, devem começar em até dois meses. De acordo com o reitor da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), João Carlos Cousin, a projeção é de que até o final de 2013 a estrutura inicie suas atividades.O dirigente explica que a iniciativa trata-se de um complexo científico e tecnológico. O Oceanário deve absorver um investimento de aproximadamente R$ 140 milhões com recursos do governo federal. A estrutura contará com informações, imagens, espécimes vivos, entre outras atrações, como uma torre mirante e um teleférico que ligará o Oceanário à praia. “Vamos procurar retratar as grandes regiões do País, contemplando vários ecossistemas”, ressalta o reitor.
Cousin foi um dos palestrantes do Congresso Internacional Navegar 2011 encerrado na sexta-feira, em Porto Alegre. Outro participante foi o chefe de divisão da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Juarez Jeffman, que disse ser possível conciliar o licenciamento ambiental e crescimento econômico.
No caso da região de Rio Grande, uma série de estudos de impactos ambientais foi realizada para a instalação do porto e por isso já foram acumuladas várias informações sobre as condições da localidade. Uma das companhias que têm interesse em expandir suas atividades no município e esperam a autorização para realizar essa ação é a Quip (responsável pela construção de plataformas de petróleo). Hoje à tarde, o presidente da Fepam, Carlos Fernando Niedersberg, e o superintendente do Ibama no Estado, João Pessoa Riograndense Moreira Júnior, assinam termo de delegação de competência para o licenciamento ambiental da ampliação da empresa, no Porto Novo. O documento permitirá à Fepam a análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e também a emissão da licença.
Outro empreendimento que espera a licença de instalação é o terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) do grupo Bolognesi. O superintendente do porto do Rio Grande, Dirceu Lopes, diz que o local para instalar o complexo ainda está sendo estudado.
O setor de energia renovável também foi um dos temas abordados na Navegar. O presidente do Comitê Estratégico de Energia da Amcham-Porto Alegre (Câmara Americana de Comércio), Luiz Cruz Schneider, lembrou o resultado positivo dos últimos leilões de energia, realizados em agosto, que viabilizarão mais 624,4 MW eólicos no Estado. Ele adianta que será necessário reforçar a rede de transmissão para suportar o aumento de carga elétrica previsto. O diretor da Gaia Energia e Participações, Roberto Sattamini, concorda que o futuro é promissor para fontes como a eólica e frisa que o plano decenal de expansão de energia da União prevê um grande crescimento na área de energias renováveis.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR