Diretor critica falta de acessos terrestres próximos a portos – Agência Câmara dos Deputados

A insuficiência de acessos terrestres ao redor dos portos nacionais é um dos principais obstáculos ao crescimento do comércio exterior, segundo opinião do diretor-técnico da Associação Brasileira de Terminais Portuários (ABTP), Luís Fernando Resano. O tema foi discutido nesta terça-feira em audiência pública da Subcomissão de Portos e Vias Navegáveis.

Resano destacou que a maioria dos portos brasileiros fica dentro de cidades, o que demanda a necessidade de investimentos em infraestrutura urbana. “Imagina um caminhão carregando vinte toneladas, pesado, deixando sujeira na cidade. A ausência de um bom acesso dificulta totalmente a chegada da carga no porto. E aí causa fila de caminhão, interferência no tráfico urbano, e tudo isso atrapalha enormemente o desenvolvimento do setor portuário”, afirmou.

Turismo
O presidente da subcomissão, deputado Alberto Mourão (PSDB-SP), que propôs o debate, ressaltou que o objetivo do colegiado é mapear a estrutura portuária brasileira para apresentar ao governo sugestões de melhorias. O parlamentar destacou que os trabalhos também estão focados nos terminais de passageiros para navios de turismo, importantes para a economia nacional.

“Passageiros representam quase seis mil empregos para o Brasil. Precisamos ampliar isso cada vez mais. E para ampliar, a gente precisa dar condições de atracamento a esses navios, principalmente em cidades históricas e turísticas, e ter um plano diretor de manutenção e expansão dos cruzeiros dentro do Brasil”, disse Mourão.

A Subcomissão de Portos e Vias Navegáveis é vinculada à Comissão de Viação e Transportes da Câmara. Para subsidiar o relatório final, serão realizadas ainda mais três audiências públicas e seis visitas técnicas aos maiores portos brasileiros – a começar pelo de Santos (SP), que será inspecionado pelos deputados no próximo dia 30.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR