Corrupção ronda transportes – NetMarinha

Há longo tempo fala-se em corrupção no Ministério dos Transportes. Na área marítima, corriam boatos de que autoridades exigiriam propinas para liberar a restituição a que os armadores têm pleno direito, por lei, mas estão retidos há anos. O saldo a favor das empresas supera R$ 500 milhões e muitas delas têm dívidas com outros órgãos de governo e sequer podem fazer a justa compensação entre créditos e débitos: têm de pagar outras dívidas e não sabem o que fazer para receber as devoluções a que fazem jus por conta de operações no Norte/Nordeste. A liberação caberia ao Ministério dos Transportes.Agora, no entanto, surgiu séria denúncia de Veja, que causou a demissão de quatro elementos da cúpula do Ministério dos Transportes. Incluem nomes como o chefe de gabinete do ministro, Mauro Barbosa Silva e Luiz Antonio Pagot, que era diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), um órgão essencial para o país, pois é quem cuida de conservação e construção de rodovias. Saiu também o presidente da Valec, estatal vital para a instalação de novas ferrovias, José Francisco das Neves. O outro demitido é o assessor Luis Tito Bonvini.
O caso se torna público, próximo à morte de Itamar Franco, o presidente que foi um paradigma de honestidade. O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, está chamuscado, mas como é senador e figura de proa no Partido da República (PR), de início será poupado – embora sua imagem tenha sido duramente atingida.
Informa-se que o esquema era rígido: empreiteiras pagavam 4% e empresas de consultoria, 5%. Há comentários de que o vazamento da notícia teria sido do próprio Governo, tal a precisão das informações.
– O dilema da Petrobras
– Em portugues
– Cabotagem em alta
– Mais um da Transpetro
– Cabo Frio
Por: Sergio Motta

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR