Portos de Paranaguá e da Hermasa planejam expansão – Valor Econômico

O porto de Paranaguá, localizado no Paraná, planeja uma expansão avaliada em 2,5 bilhões de reais que irá aumentar sua capacidade em 55 por cento, para responder à crescente demanda externa por matérias-primas e outros bens brasileiros, uma vez que o principal porto do país, o de Santos (SP), opera a plena capacidade.Os investimentos, que incluirão recursos públicos, elevarão a capacidade portuária total para 70 milhões de toneladas por ano, ante as atuais 45 milhões. Paranaguá é importante exportador de commodities como grãos, oleaginosas, além de ser o principal canal para importações de fertilizantes do Brasil.
“O porto de Santos já está no seu limite, com poucas condições de expansão, e Paranaguá é a alternativa mais viável porque está localizado entre as duas regiões mais ricas do Brasil”, disse à Reuters Airton Vidal Maron, superintendente do porto de Paranaguá.
A Hermasa, empresa portuária e de navegação do senador Blairo Maggi (PR) ,também já anunciou em abril que vai expandir as suas instalações, conforme noticiou o jornal Valor Econômico.
O aumento da demanda por canais de escoamento para grãos levou a Hermasa – empresa de navegação do grupo André Maggi – a investir na construção de uma estrutura própria em Porto Velho. Hoje, a empresa utiliza o terminal público do porto da capital de Rondônia, mas o plano é, pelo menos, dobrar a capacidade para movimentação de grãos, que atualmente é de 40 mil toneladas. A Hermasa também planeja trabalhar com dois produtos – soja e milho – simultaneamente, o que não é possível hoje.
“O terreno onde o novo porto será construído já está definido. Estamos agora na fase de obtenção das licenças ambientais para iniciar as obras, que se tudo der certo, começarão ainda este ano”, afirma João Zambone, diretor-superintendente da Hermasa. Segundo o executivo, a rota por Porto Velho tem sido uma alternativa nos últimos anos, especialmente para o produtores do noroeste de Mato Grosso.
O canal de exportação foi desenvolvido pelo próprio Grupo André Maggi e completa neste ano sua décima quarta safra. Pela rota, a soja e o milho vão de caminhão até Porto Velho, onde são transferidos para barcaças no rio Madeira. As embarcações seguem até os portos de Itacoatiara (AM) ou Santarém (PA). A partir desses portos, os grãos são transportados em navios que os levam para os destinos, como a Europa.
O caminho pelo rio de Porto Velho até Itacoatiara leva 70 horas. No sentido contrário, contra a correnteza, não necessárias 130 horas. O tempo, no entanto, não tem impedido a expansão. Em seu primeiro ano de atividade, a Hermasa transportou modestas 300 mil toneladas de grãos. Na safra 2010/11 a expectativa da empresa é transportar sozinha 3,8 milhões de toneladas. Apesar de a Hermasa ter desenvolvido a rota, hoje, Cargill e Bunge também a utilizam.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR