Porto de Cabedelo cresce 29% – Jornal O Norte

Nos seis primeiros meses deste ano, movimento de cargas chegou a 851 mil toneladas, 250 mil a mais do que em 2010A movimentação no porto de Cabedelo está a todo vapor. Só nos primeiros seis meses do ano, 851 mil toneladas de cargas passaram pelo local, 250 mil a mais do que no ano passado, o que representa um crescimento anual de 29%. Há mais de 50 anos que porto não registrava tamanha movimentação de carga. De acordo com a Companhia de Docas da Paraíba, administradora do porto, o grande salto aconteceu em maio, quando foram movimentadas mais de 185 mil toneladas, representando 92% de aumento comparado a maio do ano passado. Em abril, o crescimento foi de 20,56% e em junho 16,07%.
Mesmo com o crescimento, local precisa investir em infraestrutura Foto:Fabyana Mota/ON/D.A Press
A intensa movimentação está relacionada à demanda do segmento da construção civil e também porque Porto de Cabedelo está se beneficiando com o Porto de Suape, localizado no vizinho estado de Pernambuco, que está trabalhando 18% acima da sua capacidade. “Esse excedente escoa para nós e precisamos estar preparados para sermos um porto ‘alimentador’, ou seja, de suporte, tanto ao de Suape, quanto ao de Natal”, explica Wilbur Holmes, diretor-presidente da Companhia de Docas da Paraíba. Ele ressaltou a necessidade de se investir na infraestrutura do porto.
O porto de Cabedelo tem um calado de 9 metros, estando em processo de dragagem para se chegar aos 11m. Além da dragagem é necessário investir na infraestrutura do porto para que este se adeque às novas demandas do comércio exterior. O presidente da Cia Docas entregou à Secretaria de Portos da Presidência da República os projetos de construção do cais comercial e do terminal de múltiplo uso, de contêiners e de passageiros, e está pleiteando verba do PAC II. Para manter o crescimento, o porto precisa de investimentos nos projetos estruturantes que vão permitir o aumento na movimentação de contêiners de 2 mil para até 50 mil por ano, e a duplicação da movimentação de cargas.
Wilbur ressalta que a Paraíba está sem investimentos estruturantes na área portuária há mais de 30 anos. “Precisamos reerguer a economia do estado e o porto é a maior ferramenta paraisso. Afinal, as ferrovias que cortam o estado começam ao lado dos nossos armazéns e a BR-230 tem o quilômetro zero em frente aos nossos portões. Temos um super potencial multimodal e não temos equipamentos para estimular zonas de processamento de exportação em vários outros locais”, avalia.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR