Movimentação de carga cresce 12% no 1º semestre – O Povo Online

Derivados de petróleo destinados ao mercado interno e entreposto, ferro gusa, soja e fertilizantes foram produtos mais movimentados

A importação de fertilizantes pelo Porto do Itaqui contribuiu para fechar a movimentação do primeiro semestre deste ano 12% superior à performance obtida no mesmo período de 2010. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 2, pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap). O foco das operações no porto público maranhense é manter a alta produtividade.

De janeiro a junho de 2011, o Itaqui movimentou 6,6 milhões de toneladas operadas em 359 navios. No mesmo período de 2010, foram 5,9 milhões de toneladas. Derivados de petróleo destinados ao mercado interno e entreposto, ferro gusa, soja e fertilizantes encabeçaram a lista dos produtos mais movimentados.

O aumento de fertilizante foi de 118%, passando de 158,6 mil toneladas para 345,3 mil toneladas. Houve também o retorno de operações com cargas como antracita, clínquer, cimento e carvão, que não foram movimentadas ano passado.

O Porto do Itaqui vem melhorando a sua produtividade, respondendo à demanda esperada por operações mais rápidas. Na semana passada, por exemplo, foram operadas 21 mil toneladas de fertilizantes pela Brazil Marítima em apenas 75 horas. Um recorde.

“O êxito desta operação foi fruto do comprometimento dos clientes Ribeirão e Fertilizantes Tocantins, do operador portuário Brazil Marítima e da equipe de operações da Emap, que com muito planejamento mostraram que o Porto do Itaqui tem capacidade e estrutura para este tipo de operação rápida”, explicou o diretor de Operações da Emap, Gustavo Lago. Um novo navio está sendo operado pela Brazil Maritima e Companhia Operadora do Porto do Itaqui (COPI), alcançando altos níveis de produtividade, com 7.900 toneladas movimentadas em apenas 24 horas.

“A Emap, operadores e clientes buscam melhores opções de operação e essa é uma tendência que deve permanecer com alta performance. Com planejamento, comprometimento e equipamentos conseguimos fazer mais. O tempo de baixa produtividade nas operações no Itaqui acabou”, frisou Lago.

O manuseio de carga geral no Itaqui segue o mesmo processo de atracação, carga/descarga e desatracação de navios, tornando mais rápido e eficiente a movimentação de cargas gerais no Itaqui e reduzindo o tempo de espera na área de fundeio.

Um exemplo foi a operação com o navio Industrial Fighter, de bandeira da Antíqua de Barbuda, que teve início no último dia 22 para descarga de duas locomotivas, com aproximadamente 100 toneladas/cada, tendo 28 horas como tempo total da operação.

Em seguida, no dia 23 de julho, foi atracado o navio Singelgracht, de bandeira holandesa, cuja descarga, um carro alinhador de trilhos com 90 toneladas, ocorreu em apenas 4 horas. As duas operações foram realizadas pela Operadora Portuária Pedreiras Transportes.

Esta não é a primeira vez que o Itaqui recebe este tipo de carga. Desde o início do ano, devido à duplicação da Estrada de Ferro Carajás, a Vale vem recebendo locomotivas e trilhos, todos desembarcados através do berço 103 no Porto do Itaqui, que disponibiliza uma linha férrea em sua extensão para recepção de locomotivas.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR