Aprovado o Plano Diretor de Suape – Folha de Pernambuco

Instrumento, já divulgado no Diário Oficial, define diretrizes até 2030

NOVO PLANO prevê ampliação da área de preservação ambiental, de 48% para 59% do território total do Complexo

O Complexo Industrial Portuário de Suape terá uma Zona Central de Serviço (ZCS). A modalidade ainda não foi definida, mas será a responsável por regulamentar o desenvolvimento do Complexo, dando suporte aos projetos em implantação e aos interessados atraídos pelos grandes empreendimentos em andamento, como a Refinaria Abreu e Lima, Estaleiro Atlântico Sul e PetroquímicaSuape. A ZCS é um dos pontos do Plano Diretor Suape 2030, que teve aprovação publicada no Diário Oficial do Estado, no último sábado, que gerencia o zoneamento de toda a estrutura de Suape.

“Quando a empresa tem interesse em se instalar em Suape, ela envia uma carta-consulta para ser avaliada a sua afinidade com o Complexo. Essa central apresentará os perfis recomendados, já que há conceitos empreendedores em instalação que não permitem todo tipo de integração, por questões poluentes, por exemplo”, disse o diretor de Planejamento e Urbanismo do Complexo, Jaime Alheiros.

Entre os pontos definidos no decreto do  Plano Diretor estão a área passiva de construção para implantação de projetos estruturadores e o espaço delimitado para preservação ambiental, ampliada de 48% para 59%. “O crescimento de Suape não estava sem controle. O Plano  novo está em estudo há dois anos, mas um modelo preliminar já estava em vigência. Trata-se de uma oficialização”, garantiu o diretor, citando que o decreto inclui avanços da infraestrutura rodoferroviária a ser implantada no Complexo e a execução da avenida no contorno da Refinaria Abreu e Lima, da Petrobras.

Ainda no quesito que trata da preservação e planejamento ecológico em Suape, o Plano contempla diagnóstico da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) para conservação de matas e contrapartidas das intervenções que precisaram suprimir vegetação. É o caso da Refinaria, “que terá áreas verdes compensatórias na quantidade desmatada no processo de implantação”. “O Plano Diretor contempla, ainda, a expansão do Porto, a Express Way (rodovia projetada para desafogar o tráfego atual do entorno, principalmente para o transporte de cargas), além de áreas de preservação histórico-cultural, como ilha com vestígios arqueológicos e 12 engenhos”, completou.

Compartilhar no facebook
COMPARTILHAR
Compartilhar no google
COMPARTILHAR
Compartilhar no twitter
COMPARTILHAR
Compartilhar no linkedin
COMPARTILHAR